segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Programação de 6 a 11 de janeiro no DRAGÃO DO MAR.

Dragão do Mar: Programação de 6 a 11 de janeiro PDF Imprimir
Seg, 05 de Janeiro de 2015 14:01
► Mostra Expectativa/ Retrospectiva

A primeira edição da Mostra Expectativa/Retrospectiva segue até dia 14 de janeiro, no Cinema do Dragão-Fundação Joaquim Nabuco. Nos três primeiros dias, dias 2, 3 e 4 de janeiro, as sessões da mostra receberam 1.778 pessoas. Sucesso de público. A expectativa é que esta semana que se inicia bata o recorde de público desde a re-inauguração do Cinema do Dragão, em 2013. De 2 e 14 de janeiro, a Mostra Expectativa/Retrospectiva faz a exibição de 61 longas-metragens, entre os mais marcantes de 2014, as potenciais estreias dos próximos meses e grandes clássicos.

Realizada no Cinema da Fundação Joaquim Nabuco (Recife) desde 1998 com sucesso absoluto de público, a Mostra Expectativa/Retrospectiva tem como objetivo exibir alguns dos filmes mais fortes do ano que passou e as principais estreias do início do ano que começa.

61 mil espectadores

Em apenas 15 meses, o Cinema do Dragão – Fundação Joaquim Nabuco consolidou-se como um espaço democrático e plural. Estimamos que, nesse tempo, pelo menos 61.000 espectadores terão acompanhado as nossas sessões até o fim de dezembro. O desafio de criar um elo permanente entre o público de Fortaleza e as múltiplas formas e temas da cinematografia mundial e brasileira foi atingido.

Em 2014, foram exibidos 73 longas metragens (entre clássicos, contemporâneos, locais, sessões especiais e filmes em circuito) e incontáveis curtas metragens nacionais ao longo do ano. Criamos também a faixa Conversa de Cinema, na qual realizamos diversos debates com importantes nomes da cinematografia brasileira. A exibição de clássicos, constante desde a inauguração do cinema, foi ampliada e fortalecida, chegando à marca de 18 clássicos estrangeiros exibidos durante o ano em cópias digitais restauradas (DCP 2K e 4K) e no suporte original 35mm.

Programação

06 de Janeiro – Terça-Feira
15h30 / Cupcakes – Música e Fantasia – 92 min – 10 anos (Sala 1)
15h30 / Bem-Vindo a Nova York – 125 min – 18 anos (Sala 2)
17h30 / Libertem Angela Davis – 102 min – 14 anos (Sala 1)
18h / No Limite do Amanhã – 113 min – 14 anos (Sala 2)
19h30 / O Lugar das Perdas (Conversa de Cinema do Israel Branco) – 80 min – Livre (Sala 1)
20h / Bem Perto de Buenos Aires – 80 min – 14 anos (Sala 2)

07 de Janeiro - Quarta-Feira
15h / Magia ao Luar – 100 min – 12 anos (Sala 2)
15h30 / The Rover – A Caçada – 103 min – 16 anos (Sala 1)
17h / O Pequeno Fugitivo – 80 min – 10 anos (Sala 2)
17h30 / Mommy – 139 min – 14 anos (Sala 1)
19h / Interstellar – 170 min – 12 anos (Sala 2)
20h30 / My Name is Now – Elza Soares – 71 min – 14 anos (Sala 1)

08 de Janeiro – Quinta-Feira
15h15 / Ninfomaníaca – Parte 2 – 123 min – 18 anos (Sala 2)
16h / Nick Cave – 20.000 Dias na Terra – 97 min – 12 anos (Sala 1)
17h45 / O Grande Momento – 80 min – Livre (Sala 2)
18h / Amantes Eternos – 123 min – 12 anos (Sala 1)
19h30 / Garotas – 112 min – 14 anos (Sala 2)
19h45 / Era Uma Vez em Nova York – 120 min – 14 anos (Sala 1)

09 de Janeiro - Sexta-Feira
15h45 / Cortinas Fechadas – 106 min – 12 anos (Sala 1)
16h / Um Fim de Semana em Paris – 90 min – 12 anos (Sala 2)
17h45 / Sinfonia da Necrópole – 85 min – 14 anos (Sala 1)
18h / Bem Perto de Buenos Aires – 80 min – 14 anos (Sala 2)
19h30 – Acima das Nuvens – 124 min – 14 anos (Sala 1)
19h45 – Fome de Viver – 97 min – 16 anos (Sala 2)

10 de Janeiro – Sábado
15h / O Homem Duplicado – 90 min – 16 anos (Sala 2)
15h30 / Quando Eu Era Vivo – 108 min – 14 anos (Sala 1)
17h / Os Pássaros – 120 min – 14 anos (Sala 2)
17h30 / Jersey Boys – 134 min – 12 anos (Sala 1)
19h30 / Depois da Chuva (Conversa de Cinema com Claudio Marques) – 90 min – 12 anos (Sala 2)
20h / Ida – 82 min – 14 anos (Sala 1)

11 de Janeiro – Domingo
14h30 / Nós Somos as Melhores – 102 min – 12 anos (Sala 1)
15h30 / O Vento Lá Fora – 64 min – Livre (Sala 2)
16h45 / Boyhood – 164 min – 14 anos (Sala 1)
17h / Os Doces Bárbaros – 100 min – 12 anos (Sala 2)
19h / Leviatã – 142 min – 14 anos (Sala 2)
20h / Amor, Plástico e Barulho – 86 min – 14 anos (Sala 1)

13 de Janeiro – Terça-Feira
15h / Relatos Selvagens – 120 min – 14 anos (Sala 2)
15h45 / Violette – 140 min – 14 anos (Sala 1)
17h45 / Hiroshima, Mon Amour – 91 min – 14 anos (Sala 2)
18h30 / A Vida Privada dos Hipopótamos – 91 min – 12 anos (Sala 1)
19h45 / Retorno a Ítaca – 95 min – 16 anos (Sala 2)
20h30 / Sopro – 73 min – Livre (Sala 1)

14 de Janeiro - Quarta-Feira
14h40 / O Abutre – 120 min – 12 anos (Sala 1)
16h / Ida – 82 min – 14 anos (Sala 2)
17h / O Crítico – 98 min – 12 anos (Sala 1)
17h30 / Brincante – 93 min – Livre (Sala 2)
19h30 / Cães Errantes – 138 min – 16 anos (Sala 1)
19h45 / A História da Eternidade – 120 min – 16 anos (Sala 2)
_De 2 a 14 de janeiro. Ingressos: R$ 12 e R$ 6 (meia). Terça-feira é dia de MEIA PARA TODOS, no Cinema do Dragão. Mais informações: www.cinemadodragao.com.br.

► Selvagens à Procura de Lei faz show dia 10 de janeiro, no Anfiteatro

Os meninos que reuniram o maior público da Maloca Dragão - os cinco dias que comemoraram os 15 anos do Dragão do Mar - retornam com tudo para o primeiro show da banda em 2015. Será dia 10 de janeiro, às 20h. Ingressos já à venda.

Além de músicas cantadas em coro como "Mucambo Cafundó", "Brasileiro" e "Despedida", quem for poderá ouvir pela primeira vez algumas das músicas novas que estarão no próximo disco, o "Praieiro". Após o show, a banda retorna para São Paulo, onde retomam a gravação nos estúdios da Red Bull e seguem com a agenda de compromissos.

Sobre a banda

Texto por Jamari França

O maior elogio que posso fazer aos Selvagens à Procura de Lei é que poderiam estar entre as grandes formações dos anos 80. Uma banda com letras consistentes, arranjos que fogem ao óbvio e duas grandes vozes de Gabriel Aragão e Rafael Martins que se completam em vocais dos quatro integrantes. Gabriel e Rafael são virtuosos nas guitarras, mas nem por isso enchem o disco com elas. São usadas na medida certa em que as canções pedem e a dupla abre mão delas por violões e piano em várias faixas.

Natural de Fortaleza, a banda se projetou em seu Estado, ocupando todos os palcos, dos menores ao maior deles, o Ceará Music, antes de partir para conquistas ainda maiores - que incluíram uma indicação na categoria Aposta do VMB 2012 da MTV e uma apresentação no mesmo ano no Prêmio Multishow junto com o Capital Inicial. O produtor David Corcos assumiu a produção da banda que resultou neste CD, lançado pela Universal Music.

Os Selvagens podem ser chamados de a primeira grande revelação do Rock Brasil nesta segunda década dos anos 00. Uma banda que honra uma qualidade conseguida nas décadas de 80 e 90 e que andou fazendo falta nos últimos tempos, se é que vocês me entendem. Já apontaram neles influências de The Strokes e Arctic Monkeys, bandas que tem um pé na sonoridade dos 60 e 70. Eles apontam um leque de influências que incluem os guitarristas John Frusciante, Jack White e Fernando Catatau, e a trindade nada santa de Lobão, Cazuza e Renato Russo, além de The Beatles.

A letra de “Brasileiro” tem um verso que é, ao mesmo tempo, uma crítica ao mainstream atual e uma profissão de fé da banda: “Música não pra cabeça, mas feita pro pé”. Na mesma canção um verso que ecoa “Ideologia”, a música manifesto de Cazuza: “Nossos heróis de verdade morreram por covardia”. Em “Juventude solitude”, a grande indagação que persegue jovens desde sempre: “Será que você vai se tornar o que esperam de você?”. E mais adiante: “O que você vai escolher agora, sem ninguém pra lhe dizer o que fazer a cada hora?”. E proclamam “Crescer dói, mas essa é a história de todos os heróis”. Já “Mucambo Cafundó” ecoa: “Eu fico louco em saber que o futuro é um precipício”. Muitas questões colocadas como costumava ser nos anos 80, quando a geração do rock discutia alternativas, fazia propostas e alimentava a geração jovem que emergia dos anos de ditadura.

Os temas românticos não ficam de fora e são tratados sem pieguices. “Despedida” proclama: “Mostrando a realidade de nossa dupla solidão, eu me entrego a você como uma cidade derruba muros”. “Música de amor número um” indaga: “Quais sentimentos não se pode apagar? Em quem você vai confiar? Vamos fazer memórias juntos na corrente de um rio?”. E uma outra se define no próprio título: “O amor existe, mas não querem que você acredite”.

As embalagens musicais destas canções, feitas em maioria por Gabriel Aragão, algumas por Rafael Martins e outras pela dupla, são bem variadas. “Massarrara”, por exemplo, explode de cara com duas guitarras, uma em cada canal do estéreo, com uma levada roquenrol cantada a duas vozes por Rafael e Gabriel, com o baixista Caio Evangelista e o baterista Nicholas Magalhães se juntando a eles nos vocais.

“Juventude solitude” alterna momentos mais suaves com outros mais pesados com uma pontuação de guitarra a La The Edge em alguns momentos, com o vocal de Gabriel. Para a radiografia de “Brasileiro”, um povo cujo ano só começa quando passa fevereiro, a levada rock e vocal rap é pontuada por guitarras pesadas com maior ou menor ênfase em cada estrofe e explosão no refrão.

“Música de amor número um” tem uma levada acústica de coloração country folk brasileiro, tipo Sá e Guarabyra, neste apelo do cantor para encontrar uma certa Claudia. “Despedida” é uma balada em midtempo com duas guitarras em levadas distintas, uma em cada canal, com bom reforço vocal de Nicholas junto com Rafael e Gabriel. Na coda, o andamento muda para um encerramento na base de ná ná nás, pontuado por um bom solo no canal direito.

“Sr. Coronel” me remeteu à fase solo de John Lennon, deve ser viagem minha, talvez pelo estilo do piano que segura a levada, se bem que não nas frases de guitarra que pontuam a segunda parte. Belo trabalho de entrosamento vocal entre Gabriel e a banda nos back vocals. “Carrossel em câmera lenta” tem um excelente trabalho de guitarras, mais comedidas em algumas partes, mais pesadas em outras, com timbres alternados e solos bem sujos no final. “Mar fechado” usa o recurso clássico de um começo lento quase a capella, só com leves frases de guitarra para ganhar peso e explodir no final com uma levada que me lembrou “She´s so heavy”, dos Beatles, mas com um solo veemente e inspirado de guitarra.

Em “Enquanto eu passar na sua rua”, Rafael e Gabriel duelam cantando estrofes diferentes ao mesmo tempo, uma canção de amor pontuada por guitarras em timbres diferentes e batida rock em midtempo. “Crescer dói” tem arranjo dominado pelo piano de Gabriel, que faz o vocal, com participação discreta de guitarra, baixo e bateria, uma levada econômica e altamente eficaz de curta duração. “Mucambo Cafundó” evoca a cidade natal dos Selvagens à Procura de Lei, Fortaleza, para falar de uma crise existencial num eterno país do futuro com uma levada vigorosa com guitarras pesadas.

“O amor existe, mas não querem que você acredite” é uma balada com levada de piano com um belo vocal de Gabriel e pontuações de guitarra. Essa me evocou a fase solo de Paul McCartney. Selvagens à Procura de Lei é uma banda que soma ao que existe de melhor no rock brasileiro.

_SERVIÇO
Show Selvagens à Procura de Lei
Quando: dia 10 de janeiro de 2014
Hora: às 20h
Onde: Anfiteatro
Ingressos: R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia), à venda na bilheteria do Dragão do Mar. Ingressos promocionais nas lojas Nordwest (shoppings Benfica e Del Paseo): R$ 30 + 1 kg de alimento (para trazer no dia do show)
Saiba mais sobre a banda: sapdl.com.

► Fuxico no Dragão [Feira]
DJs, exposição de fotografias de artistas locais e uma feirinha com vinte jovens expositores em design, moda, produtos terapêuticos e gastronômicos agitam as tardes de domingo do Centro Dragão do Mar. O programa perfeito para jogar longe o marasmo dominical.
_Dia 11 de janeiro, das 16h às 20h, na Arena Dragão do Mar. Acesso gratuito.

► Sax in Cena [Circuito de Música Erudita]
Fundado em julho de 2006, o Sax in Cena é o primeiro quarteto de saxofone profissional do Estado do Ceará. Com repertório variado, entre clássicos da música erudita e popular, passando por gêneros como choro, frevo, jazz, xote, entre outros, o grupo trabalha com a proposta de formação de plateias, procurando despertar nas mais diferentes faixas etárias o interesse pela música.
_Dia 11 de janeiro, às 18h, no Auditório. Ingressos: R$ 4 e R$ 2 (meia)


► Brincando e Pintando no Dragão do Mar
Brincadeiras e atividades infantis para todas as idades orientadas por monitores.
_Todos os domingos, das 16h às 19h, na Praça Verde. Acesso gratuito.


► Planetário Rubens de Azevedo
O Planetário Rubens de Azevedo é um espaço de entretenimento e formação pedagógica através de caráter transdisciplinar em Astronomia.

Sessões:

O ABC do Sistema Solar
Em uma nave imaginária crianças fazem uma viagem pelo Sistema Solar. Durante a viagem elas aprendem sobre a mitologia das constelações e as lendas astronômicas. 30min.

Nos Limites do Oceano Cósmico
Usando o poder da nossa imaginação, viajaremos pelo espaço a uma velocidade próxima a da luz até o limite do universo visível, e com a ajuda do planetário, veremos de perto a nossa galáxia e grupos de galáxias muito distante de nós. Será que o universo tem fim? O que vemos no céu é uma ilusão? Você verá que o universo está em expansão e novas estrelas estão surgindo a todo instante.

Explorando o Universo
Venha se aventurar numa fascinante viagem pelo universo, e com Galileu conheceremos os segredos do céu e suas descobertas científicas para o progresso da ciência. 40min.

Origens da Vida
Mergulhando no desconhecido, e a partir das profundezas do oceano, descobriremos as origens da vida em nosso planeta. Através do tempo e espaço viajaremos até o nascimento das primeiras estrelas. 30min.

Sessões às quintas e sextas-feiras:
18h - Explorando o Universo
19h - Nos Limites do Oceano Cósmico
20h - Origens da Vida

Sessões aos sábados e domingos:
17h - ABC do Sistema Solar
18h - Explorando o Universo
19h - Nos Limites do Oceano Cósmico
20h - Origens da Vida

05.01.2015

Assessoria de Comunicação do Dragão do Mar
Luar Brandão – 85 3488.8625

Posse na Secretaria dos Recursos Hídricos do Ceará.

Francisco Teixeira toma posse na Secretaria dos Recursos Hídricos do Ceará PDF Imprimir
Seg, 05 de Janeiro de 2015 16:15
posseO novo secretário dos Recursos Hídricos do Estado do Ceará, Francisco José Coelho Teixeira, tomou posse nesta segunda-feira (05), no auditório do Centro Administrativo do Ceará. Francisco Rennys Aguiar Frota, ex-secretário da pasta, foi o responsável por passar o bastão para o novo gestor.

Francisco José Coelho Teixeira, ex-ministro da Integração Nacional e novo gestor da pasta, iniciou o seu discurso de posse agradecendo a indicação e confiança do governador Camilo Santana, a presença da família e amigos na cerimônia, e afirmou ser um grande desafio assumir a Secretaria dos Recursos Hídricos diante de mais um ano que possivelmente será de estiagem.

O novo secretário destacou que o modelo de trabalho ser desenvolvido terá como base três pilares: Infraestrutura, Gestão e, Ciência e Tecnologia. No pilar da infraestrutura, Teixeira destacou que deverá dar continuidade às obras iniciadas e que desenvolverá novos projetos de acumulação e transferência de água bruta, como o Cinturão das Águas do Ceará e a construção de grandes barragens.

Com relação à gestão dos recursos hídricos, segundo pilar citado, Francisco Teixeira afirmou que é necessário repensar a distribuição espacial da água nas bacias hidrográficas do Ceará. Para o novo secretário, “é importante que o Estado passe a pensar o crescimento dos recursos hídricos de forma racional, inteligente e com amplo planejamento. É necessário cada vez mais fazermos uma gestão eficaz e eficiente dos recursos hídricos, com racionalidade e o uso de ferramentas que permitam planejamento de curto, médio e longo prazo”.

Ao se referir ao terceiro pilar base da sua gestão, Teixeira falou da importância da ciência e tecnologia para o sistema estadual dos recursos hídricos. Para o novo secretário “é urgente a implementação de tecnologias que possibilitem o reuso da água, em um primeiro momento para a irrigação, e a dessalinização da água do mar para o abastecimento de comunidades residentes próximas ao litoral”.

Francisco José Coelho Teixeira, que assume a partir de hoje o cargo até então ocupado pelo advogado e gestor público, Francisco Rennys Aguiar Frota, encerrou o seu discurso de posse destacando que desenvolverá todas as ações necessárias para dar continuidade ao abastecimento e garantir segurança hídrica para todos os cearenses.

A solenidade foi prestigiada por técnicos e colaboradores da Secretaria dos Recursos Hídricos, pelos atuais diretores da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh), da Superintendência de Obras Hidráulicas (Sohidra) e da Fundação de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), pelo presidente do Instituto Frutal, Euvaldo Bringel, pelos deputados Odorico Monteiro e Carlos Felipe, pelo Secretário de Altos Estudos da Assembleia Legislativa do Ceará, Francisco Viana, entre outros convidados.


05.01.2015

Secretaria dos Recursos Hídricos (SRH)
Assessoria de Comunicação
Leonardo Meireles E. de Souza
Fone: + 55 85 3101.4022
leonardo.meireles@srh.ce.gov.br

Compartilhamento Social:

Kátia Abreu


Luciano Nascimento - Repórter da Agência Brasil Edição: Aécio Amado
Ao assumir hoje (5) o cargo de ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu evitou tratar das polêmicas envolvendo declarações recentes de que não haveria mais latifúndio no Brasil e disse que recebeu da presidenta Dilma Rousseff a incumbência de dobrar a classe média rural nos próximos quatro anos.

“Ela [Dilma] me pediu obstinação nessa tarefa. Vamos estabelecer como meta dobrar a classe média rural nos próximos quatro anos. Tem mais de 5 milhões de produtores rurais, sendo que 70% deles estão na classe D e E, 6% na classe A e B e apenas 15% na classe C”, disse a ministra que prometeu levar pelo menos 800 mil produtores para a classe C.

A nova ministra da Agricultura, Kátia Abreu, fala durante cerimônia em que recebeu o cargo (Valter Campanato/Agência Brasil)
A nova ministra da Agricultura, Kátia Abreu, fala durante cerimônia de transmissão de cargoValter Campanato/Agência Brasil
Segundo ela, será feito um esforço para dotar esses produtores de capacitação técnica. Para isso, a nova ministra pretende envolver órgãos federais como a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), o Sistema S e as universidades. “Vamos de porteira em porteira atrás dessas pessoas buscando e levando uma revolução em tecnologia para que eles possam ascender socialmente e ter uma renda mais elevada”, disse.

Kátia Abreu também falou em diálogo com os movimentos sociais e ao ser perguntada sobre a declaração de que não haveria mais necessidade de uma reforma agrária ampla no Brasil, respondeu que o assunto é da competência de outro ministério . “O meu ministério não é responsável pela reforma agrária, essa competência é do MDA [Ministério do Desenvolvimento Agrário], e eu pretendo respeitar essa competência”.

A declaração de Kátia Abreu sobre latifúndio recebeu crítica do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) que, em nota, considerou a fala “descabida e desconectada da realidade do nosso país”. “Quem realmente conhece a história de nosso país sabe que não são os povos indígenas que saíram ou saem das florestas. São os agentes do latifúndio, do ruralismo, do agronegócio que invadem e derrubam as florestas, expulsam e assassinam as populações que nela vivem”, diz a nota.

A nova ministra, no seu discurso, também defendeu a ampliação da infraestrutura logística com a construção de ferrovias e hidrovias. Segundo Kátia, um dos desafios do ministério será desbravar a fronteira agrícolas dos estados do Norte e Nordeste, em especial o Tocantins, Maranhão, Piauí e a Bahia. “É uma região muito especial onde não ocorrerá desmatamento, pelo contrário, são áreas de pecuária que estão sendo transformadas em agricultura, e essa região precisará ter um crescimento sustentável do ponto de vista ambiental, da logística, da energia e da armazenagem”.

Ela disse ainda que vai trabalhar para aumentar as exportações do agronegócio. “Nós temos um imenso mercado no exterior, e as nossas empresas, as nossas agroindústrias, precisam estar preparadas para exportar para esse grande mercado consumidor, quer seja de carne em geral, quer sejam de outros produtos. A nossa obrigação como ministério é abrir as portas para que todas as empresas possam exportar”.

A nova ministra também prometeu tratar da crise do setor sucroalcooleiro, decorrente do baixo preço do petróleo e de questões climáticas. “O setor sucroalcooleiro não tem uma receita única, teremos que ter uma receita com vários conceitos, com variadas prioridades e soluções para que este assunto se resolva”, disse Katia Abreu que prometeu buscar uma solução para crise em reuniões com os ministérios da Fazenda, do Planejamento e com o Tesouro Nacional.

Fale com a Ouvidoria
Comitê da Seca realiza a primeira reunião de 2015 PDF Imprimir
Seg, 05 de Janeiro de 2015 18:20
O Comitê Integrado da Seca do Ceará realizou na manhã desta segunda-feira (5) a primeira reunião do ano de 2015. Na ocasião o secretário do Desenvolvimento Agrário, Dedé Teixeira, foi empossado como presidente do colegiado.

Participaram da reunião representantes dos órgãos que compõem o colegiado, como a Defesa Civil Nacional e a Defesa Civil do Estado do Ceará, além de representantes do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH) e da Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme).

O Comitê da Seca vai solicitar aos demais órgãos que compõem o colegiado para indicarem os novos membros, que devem tomar posse solene na próxima segunda-feira (12). O secretário Dedé Teixeira anunciou ainda que terá em breve agenda em Brasília para estreitar as relações com os novos ministros, reafirmando as parcerias que já existem. “Vamos visitar os ministérios da Integração, o MDA e o MDS para reafirmar o nosso interesse em manter as parcerias em andamento e buscar novas, destacando que o Ceará vai encaminhar com agilidade as ações que vão garantir a convivência com a seca”, afirmou.

O secretário Dedé Teixeira informou ainda que o Comitê da Seca vai continuar encaminhando as demandas dos municípios no que diz respeito às obras de convivência com a estiagem. “O trabalho vai continuar, e estaremos aqui para intermediar com os órgãos do Estado e do Governo Federal as soluções e encaminhamentos necessários para a convivência com a estiagem”, disse.


Obras de adutoras
O representante da SRH, Gianni Lima, apresentou as ações do Estado no que diz respeito à garantia da segurança hídrica. Ele destacou que o Estado conseguiu atender com adutoras ou perfuração de poços, municípios em situação de colapso de abastecimento d'água. O investimento nessas ações superou os R$ 200 milhões. Em 2014, 600 poços perfurados em áreas urbanas e rurais do Ceará, seis vezes mais do que o registrado em 2007, quando foram perfurados 90 poços.

O aumento das perfurações ocorreu, principalmente, pela adoção da nova política de perfuração de poços, implantada em julho deste ano, que determina que toda e qualquer solicitação para perfuração de novos poços deverá vir acompanhada do devido estudo geofísico, medida que reduz a quantidade de perfurações ociosas e superexpostas no enfrentamento da seca.

Previsões
A meteorologista da Funceme, Meire Sakamoto, anunciou que, provalvelmente, no dia 22 de janeiro, as previsões devem ser anunciadas as previsões de chuva para os meses de fevereiro, março e abril.


05.01.2015


Assessoria de Comunicação da Secretaria do Desenvolvimento Agrário
Lúcio Filho – (85) 3101.8105 | 8897.8510
lucio.filho@sda.ce.gov.br | asscom@sda.ce.gov.br

Mariana Galvão – estagiária de Jornalismo
mariana.galvao@sda.ce.gov.br
Twitter: @ImprensaSDA

sábado, 29 de novembro de 2014

As 25 profissões mais bem pagas nos EUA.

Veja a seguir a lista completa:

Posição no ranking Profissão Salário médio anual (em dólares)
1º Anestesiologista 235.070
2º Cirurgião 233.150
3º Cirurgião bucomaxilofacial 218.960
4º Obstetra e ginecologista 212.570
5º Ortodontista 196.270
6º Clínico geral 188.440
7º Médico e cirurgião (todas as outras especialidades) 187.200
8º Médico da família 183.940
9º Psiquiatra 182.660
10º Presidente de empresa 178.400
11º Pediatra 170.530
12º Dentista (todas as outras especialidades) 170.340
13º Dentista (geral) 164.570
14º Enfermeiro anestesista 157.690
15º Engenheiro de petróleo 149.180
16º Gerente de arquitetura e engenharia 136.540
17º Podólogo 135.070
18º Gerente de marketing 133.700
19º Gerente de ciências naturais 132.850
20º Gerente de sistemas e informática 132.570
21º Advogado 131.990
22º Piloto, copiloto e engenheiro de voo 129.600
23º Protesista 128.310
24º Gerente financeiro 126.660
25º Gerente de vendas 123.150

sábado, 22 de novembro de 2014

corrupção

Em duas ocasiões recentes, os governos brasileiros achincalharam os EUA. Nas duas oportunidades, membros do corpo diplomático norte-americano haviam atestado, por escrito e verbalmente, que o Brasil era um poço de corrupção, incontornável. Tiveram de perdir desculpas.
Mas estavam certos.
A primeira vez foi em outubro de 1997, bem no ano em que o ex-presidente FHC privarizava a Vale do Rio Doce.
Bill Clinton preparava uma visita ao Brasil em outubro de 1997. O Departamento do Comércio dos EUA elaborou então um relatório, entregue ao grupo de empresários norte-americanos, que acompanharia a visita do presidente Bill Clinton ao Brasil. O dossiê estabelecia que havia “um excelente potencial de negócios no Brasil, mas aqui a corrupção ainda é endêmica na cultura brasileira”.
Causou mal estar geral no governo de FHC.
O então embaixador norte-americano no Brasil, Melvyn Levitsky, teve de telefonar ao chanceler brasileiro, Luiz Felipe Lampreia, para desculpar-se pelo relatório em que o Brasil era citado.

Segundo o relatório, o Brasil era então o 15º num ranking de países mais corruptos do mundo, num estudo elaborado pela organização não-governamental alemã Transparency International.
Face o mal estar, o Departamento de Estado norte-americano decidiu substituir a expressão “corrupção endêmica” por apenas “corrupção”.
Mas estavam certos em defini-la como “endêmica”.

Agora vamos a outra situação, mais recente ainda.

Um dos telegramas confidenciais enviados pela embaixada dos Estados Unidos no Brasil para Washington, e divulgados pelo Wikileaks, definia que as instituições brasileiras eram todas afetadas por “corrupção generalizada”.
O documento (leia a íntegra, em inglês), datado de 19 de fevereiro de 2009, foi enviado pelo embaixador americano no Brasil, Thomas Shannon, ao procurador-geral dos Estados Unidos, Eric Holder —antes deste visitar o Brasil entre 23 e 26 de fevereiro daquele ano.
Shannon escreveu:

“Apesar de muitos juristas serem de alto nível, o sistema judiciário brasileiro é frequentemente descrito como disfuncional e afetado por jurisdições que se sobrepõe, falta de treinamento, burocracia absurda e acúmulos [de processos] esmagadores. A corrupção persistente e generalizada afeta os três poderes do governo [Executivo, Legislativo e Judiciário]. A aptidão das forças da ordem são afetadas por falta de treinamento, rivalidades burocráticas, corrupção em algumas agências e as forças policiais são muito pequenas para cobrir um país de quase 200 milhões de habitantes”.

Causou mal estar com Lula. Tiveram de se desculpar de novo. Mas estavam certos.

Ao resgatar esses dois episódios, o blogueiro se lembrou de Alvaro Obregon, que presidiu o México entre 1920 e 1924. Seu bordão de governo era “eu roubo menos”. E, quando falava isso, exibia o cotoco: havia perdido meio braço num atentado a bomba que sofreu de seu segurança particular.
Caro Tio Sam: você estava certo: nós não roubamos menos: jamais…